sexta-feira, 7 de julho de 2017

Três avisos e uma remodelação

A minha crónica no Jornal Torrejano.

A governação de António Costa começa a abrir brechas que só a actual inépcia da direita tem evitado que se transformem num enorme desgaste político. Em pouco tempo, depois da euforia em torno do défice, o país frágil que somos, do ponto de vista institucional, enviou três avisos. O menos importante foi a história do exame de Português do 12.º ano. O mais trágico está ligado aos acontecimentos de Pedrógão Grande. O mais simbólico da nossa fragilidade, o roubo de armamento em Tancos. Todos estes acontecimentos têm um denominador comum. As instituições são frágeis e parecem acometidas por uma doença que impede o seu regular funcionamento. Estes acontecimentos são politicamente muito importantes e revelam, melhor que o cumprimento do défice, o estado da Nação.

É irrelevante dizer que isso poderia acontecer com outro governo qualquer. Também não terá grande sentido dizer que a degradação das instituições vem de há muito. Os governos são empossados para cuidarem das instituições e assegurarem que elas funcionem com regularidade e sem falhas clamorosas. Por muito que os governantes se achem inocentes nestes acontecimentos – e, certamente, são-no –, eles são responsáveis por eles. É evidente que o que aconteceu – fundamentalmente, em Pedrógão Grande e Tancos – é ainda consequência das políticas de austeridade que continuamos a seguir, mas não só. São fruto da leviandade que se instalou no Portugal democrático, leviandade essa que tem o PS como um dos principais expoentes, embora tenha boa companhia no lado da oposição.

Do ponto de vista político, parece claro que chegou a hora de António Costa fazer uma remodelação profunda no governo. O problema, porém, não será debelado com uma mera troca de ministros. O governo carece de uma legitimidade eleitoral cuja ausência, em momentos de crise e apesar da boa vontade do BE e do PCP, se torna de imediato patente. Os partidos de esquerda deveriam ponderar muito seriamente num governo onde todas as forças de esquerda estivessem representadas. Um governo que não viva apenas para o défice, a dívida e as devoluções. Um governo que cuide do país e da eficiência e democraticidade das instituições. O que está em jogo é evitar a degradação da situação política, a qual está ameaçada por estes acontecimentos, mas também com os previsíveis conflitos nas áreas da Saúde e da Justiça. A euforia governativa de há semanas atrás desapareceu num ápice. Pode ser uma oportunidade para olhar a realidade de frente e acabar de vez com os jogos florais. Pode ser o começo do descalabro.